O povo brasileiro acordou

CAB10101704_ttO que será decidido, hoje, na Câmara, é o futuro de um país destroçado por uma presidente que, com arrogância, governou de costas para o seu povo e cuja fidelidade não é à Nação e à população brasileira, mas à sua tacanha ideologia.
As consequências da sua insensatez são visíveis no desemprego, na paralisia nacional, no desespero daqueles que dependem do sistema público de saúde, no sucateamento do nosso parque industrial (uma conquista de gerações), no aparelhamento das nossas instituições e no assalto planejado, organizado e sistemático ao patrimônio público, que quebrou a Petrobrás, os fundos de pensão e o Tesouro Nacional.
Não podemos mais assistir ao desmonte da Nação sem nada fazer. Nosso País precisa encontrar um rumo.
A presidente não reúne mais as condições para realizar essa tarefa.
Não se faz transplante de alma. Durante o seu primeiro mandato, ela foi diariamente advertida sobre as terríveis consequências dos seus atos, mas prosseguiu, com a insana arrogância que a caracteriza, na sua marcha da insensatez.
Durante a sua campanha, os sinais da ruína do Estado brasileiro eram tais que, se ela falasse a verdade, perderia a eleição. Acuada, Dilma prestou-se então à farsa eleitoral (quem não se lembra de vê-la dizendo que em 2015 o Brasil “iria bombar”?), sabendo que o País estava quebrado, que depois da sua eleição o que nos esperava era o desemprego, empresas fechando, falta de verbas para a saúde pública, o mar de lama e toda essa tragédia que a população vive hoje.
O Brasil não aguenta mais três anos com Dilma no poder. O cristal da confiança, quebrado, não pode mais ser recomposto. Jamais ela terá novamente o respeito dos homens e mulheres deste País.
A sua saída será o primeiro passo para a construção do novo Brasil, que surge a partir da participação da população brasileira, que se manifesta nas ruas, deixando claro que o povo, ao exigir o impeachment, é que manda neste País. O povo acordou.
Em meio a tantos horrores, essa é a boa notícia.

Miguel Haddad (PSDB) é deputado federal e líder da Oposição na Câmara

Entre em contato!